terça-feira, 29 de outubro de 2013

A Graça



A maioria dos seres humanos tem dificuldade em entender como age a lei da graça. Alguns consideram a graça de Deus um presente que, por alguma razão, encontra-se disponível apenas para poucos privilegiados.

Entretanto, a graça é algo disponível para aqueles que acreditam nela com a totalidade de seu ser. Não existe uma regra ou uma fórmula mágica para fazer com que se manifeste em nossa vida.

Ela surge como resultado de nossas próprias atitudes e da maneira como nos relacionamos com o divino. Não basta pedir a Deus para que as coisas aconteçam, precisamos fazer a parte que nos compete. Ora, dirão alguns, eu já fiz tudo o que estava ao meu alcance e nem assim alcancei o que necessitava.

Porém, fazer a nossa parte nem sempre significa apenas agir no aspecto exterior, existe uma misteriosa lei que rege a nossa relação com Deus e que se expressa através da confiança.

É aí, que, acredito, falhamos na maioria das vezes no que compete a nós. A confiança não é uma palavra vazia, ela é um sentimento profundo, uma certeza inabalável de que a resposta virá, no seu devido tempo.

O problema é que, na maior parte das vezes, desejamos que ela se manifeste imediatamente, visto que nossas necessidades, ditadas pelo ego, são sempre urgentes.

E quando ela não vem no prazo que gostaríamos, passamos a duvidar de que Deus esteja disposto a nos ajudar. Em muitos momentos nos sentimos verdadeiramente preteridos ou abandonados por Ele, injustiçados por não ver respondidas as nossas súplicas.

Seja o que for que a vida nos reserve, tem um propósito único: o de nos ensinar algo, que nem sempre conseguimos enxergar. Se cada acontecimento contém em si uma lição, só nos resta refletir, sobre o que precisamos aprender com aquele fato. E se ele se repete por muito tempo, talvez seja porque ainda nos recusamos a perceber o aprendizado que precisamos aceitar.

A aceitação é, sem dúvida, uma das mais complexas lições de nossa vida, mas sem ela dificilmente conseguiremos estabelecer as condições necessárias para receber a graça divina.


:: Elisabeth Cavalcante ::