sexta-feira, 25 de outubro de 2013

...

Avante o sol e o trovão. 
Avante todos os ventos e tempestades. 
Avante os desejos imprevisíveis. 

Os olhos que refletem luz. O sorriso que te faz pensar em se mudar para um planeta de outra galáxia onde tu possas congelar a imagem como se fosse a pausa de um filme bom que certamente você desejará assistir de novo. 

Avante o sorriso do gozo. 

A fuga na madrugada e o passeio no frio antes de queimar na cama. 
Parem todas as ampulhetas, os relógios. Parem o tempo. 
Tempo parou. Pararam. Não há mais rotação e nem translação. 
Há apenas uma sensação de que é impossível interromper o desejo. 
O tempo nasceu nublado, mas que diferença faz quando se está trancado num quarto voando entre as estrelas numa nave espacial. 
Todos os pecados. 
O que interessa realmente agora?

Avante o silêncio, para que se ouça a ofegante respiração.

O que há lá fora agora que possa nos fazer parar?
Um meteoro vem vindo em direção a Terra, informa a TV desligada.
Todos estão em fuga, menos nós.
Todos estão com medo, menos nós.
Todos estão com fome, menos nós.

Avante o futuro para que possamos ter certeza de que o que se faz inesquecível está além da compreensão dos profetas, dos cientistas e da vã filosofia.

Não se vive um sonho se não se for capaz de estar de olhos bem abertos para se ter certeza de que é de verdade.

Avante o amor.
Avante a paixão.
O sexo sem pudor
As batidas do meu coração.

Avante ...
É aquela vontade louca de não parar.
São os olhos cor do mar.
Não consigo parar de olhar.

- Tico Santa Cruz -