terça-feira, 1 de outubro de 2013

Não devo temer.
O medo é o assassino do Real, é a pequena-morte que oblitera o Ser. Eu enfrentarei o meu medo. Permitirei que ele passe através de mim e quando se for, eu olharei, com a minha visão interna, o seu rastro. No espaço vazio que ele deixou, nada existe afinal ... 
Só eu permaneço!



- Frank Hebert -