sábado, 1 de novembro de 2014

"BRUXAS... é como chamam por aí...
As insubordinadas, divergentes, antenadas.
Sábias, ditas loucas... profundas, espiritualizadas.
As perigosas...
Mulheres que lutam...contra preconceitos, ignorância, machismo, opressão, violência, exploração....

Mulheres que amam, sem medo de parecerem impuras, se envolvem, se entregam, se rendem...verdadeiramente femininas...
Mulheres que cuidam, dos próprios filhos, dos filhos de todos, das chagas de muitos, das milenares e desprezadas tradições originais, da fé, da natureza, dos conhecimentos intuitivos, marca que jamais deveria ser apagada...
Mulheres que guardam...em si, o poder de gestar, de nutrir, de guiar...a vida!
Mulheres que preservam...as últimas chances do mundo sobreviver ao caos...os saberes simples das ervas, da compaixão, do respeito a toda Criação Divina.
Sim...as guardiãs de tudo que é digno e eterno... tão bem resolvidas.
Que despertam amor e ódio.
Mulheres que servem...e vivem à amparar umas às outras, totalmente descrentes da subcultura da competição.
Mulheres que estudam, lêem, observam, questionam, argumentam, se impõem...
Mulheres que sofrem...por não se ajoelhar ante à repressão dos sistemas...
Mulheres fantásticas, surreais, feiticeiras, endiabradas, filhas do mal?
Não...mulheres como vocês e eu.
Foram perseguidas e queimadas e ainda são amordaçadas...eram mulheres...eram irmãs, são BRUXAS! E devem meter muito medo...
E você?
As teme?
Ou é uma delas? " 

- Gi Stadnicki -

domingo, 5 de outubro de 2014

 




... " Há momentos em que somos forçados a abrir mão de algo que nos é muito importante e esse processo é, frequentemente, muito difícil. Todavia, a tristeza da “perda” será substituída por um esclarecimento muito maior, uma calmaria nas águas revoltas dos pensamentos e dos sentimentos, que proporcionará uma nova compreensão, um novo entendimento e aceitação das mudanças em nossa vida.  São muitas as ocasiões em que o que parece ser tristeza, dor e perda é simplesmente as dores do “parto” de um novo futuro e de uma mais pacífica experiência de vida." ...



domingo, 28 de setembro de 2014

Não podemos perder o hábito de vagar pelo deserto, onde ninguém se interessa em andar. Pois dos nossos pensamentos solitários é que surgem as ideias que nos impulsionam para caminhos onde poucos conseguem chegar. Ora bolas, se você faz sempre o mesmo percurso, verá sempre a mesma paisagem. 
Não podemos temer o caminho das sombras. Temos de saber passear pela luz e pela escuridão e preparar nossos olhos para que consigamos ver o que outros não enxergam e desviar das armadilhas que aprisionam os incautos. Se só soubermos caminhar no claro do dia, desaprendemos a ouvir os sons da noite e por consequência podemos deixar passar despercebidas as nuances que fazem de nossos pensamentos meandros para inspirações necessárias para a criação de um universo mais rico em detalhes de cores, de posições, de satisfações, de prazeres e riscos.
O que queremos afinal?
A doce e fácil igualdade do comum?
O pesado fardo de caminhar em direção a morte sem objetivo algum?
A quimera de uma existência previsível e facilmente neutralizada?
Não podemos perder o hábito de vagar pelos porões, de onde os pobres espíritos fogem deixando para trás rastros de dor, medo, pânico, pavor. Se não soubermos como lidar com nossos restos e com o que há de mais podre dentro de nossos corações, não saberemos discernir a bondade, a boa vontade e a afeição.
Se seguir a mesma fórmula obterá o mesmo resultado. Será apenas mais um.
Se criar uma nova maneira de fazer, então te destacarás daqueles que buscam algum alento em meio ao céu lotado de estrelas.
O que é preferível afinal?
A mera repetição do que já se faz repetido?
Ser apenas uma reprodução sem qualquer poder de autotransformação?
Não podemos renegar a vitória, nem o sucesso de nossas viagens além do que se imagina, sob a condição de não darmos valor aos nossos mais elegantes esforços.
A paciência é necessária para saber que o tempo trará a colheita que plantamos.
O que esperam os idiotam que nada cultivaram?
Esperam por limão? Por morangos? Por Melões?
Mas eles só plantam mamonas.
Não podemos esquecer o que nos trouxe até aqui.
E se o que nos ocorre, está correndo bem. Não há o que temer e nem o que se perguntar. Basta apenas que tenhamos a sensibilidade de seguirmos o caminho que nós escolhemos e não o que escolheram para todos.
Os fracos se vendem pelo primeiro chamado. Todos temos um preço, mas o nosso somos nós que avaliamos
Não somos todos. Fazemos parte do todo. Mas nós somos nós.
Assim seja.

terça-feira, 2 de setembro de 2014




O Pássaro

Não sei o que sinto...
Mas sinto
Que a terra me foge
Ou que fujo da terra
Que a terra é azul
Mas prefiro o azul do céu.
Não sei o que sinto...
Mas sinto, que preciso subir,
que preciso voar,
que preciso do espaço infinito!
O que sinto
são as asas que pedem mais azul,
são as asas que pedem mais espaço,
são as asas que pedem mais estrelas.
Não sei o que sinto...
mas sinto que a terra não basta
Não basta para mim,
pássaro do caminho!



...


Trecho extraído da Obra: A Voz de Deus de Alceu Amoroso Lima, publicado por Rose Marie Muraro em:As Mais Belas Orações de Todos os Tempos.

segunda-feira, 1 de setembro de 2014


... " Um salto no ar: imponderável, o desejo paira ... 
Se expõe ao que aflora simplesmente sendo, visto por quem repara.


Toda fase é parte e todo do mesmo um, sua aparência é relato da constante mudança.
No horizonte e abaixo dele, movimentam-se as seivas em ascensão, tramam-se os ramos, os grãos se separam das cascas e elevam-se em brotos, em folhas, expandem-se em frutos, irradiam-se em flores ... 


  
Chão que se abre, broto novo, consciência que aponta, desponta querendo ser. 

Seremos solo fértil? " ...

- Amanda Costa -

terça-feira, 26 de agosto de 2014









" O espectro da Mulher Selvagem ainda nos espreita de dia e de noite. Não importa onde estejamos, a sombra que corre atrás de nós tem decididamente quatro patas. "


** Todas nós temos anseio pelo que é selvagem. 
Existem poucos antídotos aceitos por nossa cultura para esse desejo ardente. 
Ensinaram-nos a ter vergonha desse tipo de aspiração.
Deixamos crescer o cabelo e o usamos para esconder nossos sentimentos.


** 0 arquétipo da Mulher Selvagem, bem como tudo o que está por trás dele, é o benfeitor de todas as pintoras, escritoras, escultoras, dançarinas, pensadoras, rezadeiras, de todas as que procuram e as que encontram, pois elas todas se dedicam a inventar, e essa é a principal ocupação da Mulher Selvagem. 
Como toda arte, ela é visceral, não cerebral. 
Ela sabe rastrear e correr, convocar e repelir. 
Ela sabe sentir, disfarçar e amar profundamente. 
Ela é intuitiva, típica e normativa.
Ela é totalmente essencial à saúde mental e espiritual da mulher"


- Clarissa Pinkola Estes -

domingo, 20 de julho de 2014

Óh Mãe ...








sexta-feira, 18 de julho de 2014

domingo, 13 de julho de 2014

Ó Mãe ...


... que eu seja um instrumento do Vosso Amor e da Vossa Verdade !!!
E que o pontinho de luz, o qual eu represento, possa se unir ao universo de ideias onde o Amor é a verdadeira sustentação da nossa fé !!!

Que Assim Seja !!!

quinta-feira, 22 de maio de 2014





Ela chegará
... em um dia que não haja sol
que não haja vento
que não haja sequer um beija-flor a roçar seu amor

Ela chegará
... pois aprendeu a tecer a tela que a irá abrigar
aprendeu a manejar seu barco através do mar bravio
aprendeu a dominar o vento que insistia em tirar as coisas do lugar
aprendeu a invocar o fogo sempre que sua chama enfraquecia

Ela chegará
... com o sussurro do regato que levará o seu barco até a margem segura que escolheu para ancorar

...

( 16/11/013 – Parte 1 )



domingo, 18 de maio de 2014

Por ela: nós também somos ninguém. A cordinha, A pequena escada, O final, A folha ...




Que o Ser em cada um de nós que é o "ninguém", 
ou seja, el alma pura,
sempre nos lembre que, não importa o que aconteça, 
temos uma Mãe amorosa, mansa e feroz,
que espera que aprendamos, que nos comprometamos 
a ser mansamente ferozes, ferozmente mansos ...
como ela.

Que nós, que puxamos e içamos todos os dias,
relaxemos um pouco,
e nos lembremos, com o coração voltado para nosso lar,
de que é nossa Mãe,
o mais belo Sino jamais forjado,
que nós, pequenas cordas,
lutamos para badalar ...
para que a memória de sua voz melodiosa
ressoe por nosso corpo, nossa mente,
nosso espírito, nossa alma, nossas obras
e nossas terras, diariamente.

Somos as escadas minúsculas, usadas para espiar por cima,
para subir e transpor cada muro levantado
contra Nossa Senhora.
Nós nos postamos nos humildes degraus de madeira
para nunca perdê-la de vista -
por mais que esteja confiscada pelos ciumentos,
por mais que tenham se apoderado dela
e a tenham diminuído,
por mais que tenha sido proibida pelos Césares,
ou escondida de qualquer modo, por qualquer motivo.
Nós subiremos, desceremos ou nos inclinaremos de lado
para contemplá-la onde quer que esteja.

Somos também folhinhas;
e, só por um instante,
deixemo-nos boiar descendo as corredeiras de seu Amor,
derramados e mergulhados, encharcados e quase afogados
na Santa Mer, Santa Maria, Santa Mar,
 e nos alegremos por esse trajeto sábio e selvagem
sobre os ombros fortes, aquosos de nossa Mãe Amada.

Que nós sempre sirvamos à sua memória,
e sejamos sempre a pequena rabiola da pipa estrelada,
que nos tornemos o último pedacinho de seu bolo,
que aceitemos um papel pequeno, mas poderoso,
em suas melhores e mais abençoadas histórias.
Que nos lembremos de suas palavras diariamente
e nunca nos sintamos sós.

Pois com ela, sob sua proteção, sob suas bençãos,
eu te digo, prezada criatura ...
Que deste dia em diante tu sejas
para sempre cuidado por Nossa Mãe,
para sempre orientado por ela,
e para sempre mantido a salvo por ela ...
até que nos vejamos outra vez.

Em seu nome, La Nuestra Madre Grande,
e em nome de seu precioso Filhinho,
A Luz de Amor do Mundo,
que te lembres de que estás envolto
em seu manto de estrelas,
cercado pelo perfume de rosas vivas,
de que estás espiritualmente protegido,
e principalmente
de que és amado de verdade.

Que assim seja para ti,
Que assim seja para mim,
E que assim seja para todos nós.

Amém
Amém
Amém


- Clarissa Pinkola Estés - 




sexta-feira, 4 de abril de 2014





... " Eu quebro tradições, algumas vezes minhas tentativas,são fora dos limites
Nós fomos condicionados a não cometer erros
Mas eu não posso viver desse jeito

Encarando a página em branco a sua frente
Abra a janela suja
Deixe o sol iluminar as palavras que você não pôde achar " ...

domingo, 30 de março de 2014



"  Senhor, se eu te amar por querer o Céu, exclui-me dele...
Se eu te amar por medo do inferno, joga-me nele...

Agora, se eu te amar pelo que Tu és, Senhor, não me
escondas o rosto "


...

(Oração do século VI A.C., encontrada em descobertas arqueológicas na Palestina, no início do século XX.)




www.facebook.com/pages/O-Mundo-de-Gaya

terça-feira, 25 de março de 2014

A MULHER PRECISA DE GRITAR A SUA FÚRIA





"Houve muita especulação quanto ao fato de uma mulher furiosa ser apavorante no seu poder. No entanto, essa é uma projeção da angústia pessoal do observador, demasiada para que qualquer mulher a suporte.
Na sua psique instintiva, a mulher tem o poder, quando provocada, de se enfurecer com consciência – e isso realmente é algo poderoso. 
A raiva é um dos meios inatos de que ela dispõe para começar a criar e a manter o equilíbrio que necessita, tudo o que ela realmente ama. É seu direito e, em certas horas e sob certas circunstâncias, é seu dever moral.
Para as mulheres isso significa que existe a hora para mostrar os dentes, para mostrar a poderosa capacidade de defender o seu território, para dizer ”até aqui nem mais um passo, não passe a responsabilidade adiante, não se intrometa, tenho uma coisa a dizer, tudo isso vai decididamente mudar”.



"MULHERES QUE CORREM COM OS LOBOS"

- CLARISSA PINKOLA ESTES - 


( http://rosaleonor.blogspot.com.br/ ) 

quarta-feira, 12 de março de 2014



Entre o sono e o sonho,
Entre mim e o que em mim
É o quem eu me suponho,
Corre um rio sem fim.

Passou por outras margens,
Diversas mais além,
Naquelas várias viagens
Que todo o rio tem.

Chegou onde hoje habito
A casa que hoje sou.
Passa, se eu me medito;
Se desperto, passou.

E quem me sinto e morre
No que me liga a mim
Dorme onde o rio corre -
Esse rio sem fim


- Fernando Pessoa -
( Rio Sem Fim ) 

terça-feira, 4 de março de 2014









... " Ela só tem a menor das chamas, por vezes,
Para iluminar o caminho que você sabia que estava sempre lá.
No coração da matéria, é a viagem que nos mantém quente,
As luzes que nos levam onde nós estamos indo.
Que você possa levantar os olhos e saber a cada passo:
Nós não estamos sozinhos. " ...


...

segunda-feira, 3 de março de 2014

Era uma vez, na luz das estrelas...





























Era o tempo de sua liberdade,
E você dançava pelo éter...
De mãos dadas com as estrelas.

Era a hora de suas escolhas...
E você olhou para a Terra, e sorriu.
E desceu para mais uma jornada no mundo.

Era assim que você fazia: dançava no céu.
Mas, agora, você não se lembra disso.
E as estrelas estão com saudades.

Era tão lindo o seu vôo...
Você voava cantando e rindo.
E deixava um rastro de luz por onde passava.

Era outro tempo, em outro lugar.
Mas chegou a hora da colheita...
E você virou o bebê de alguém.

Era o tempo de uma nova vida...
E você riu, e me disse: “Não se esqueça de mim!”
Ah, querida! Como esquecê-la?

Era uma vez, acima do mundo e além da vida...
Quando eu fiz uma canção.
E ela falava de você.

Era uma vez, querida...
Quando um grande amor desceu em mim.
E eu dancei com as estrelas, por você.

Era no espaço, por entre os pensamentos.
Era no coração, por entre os sentimentos.
Era na canção de amor que fiz, por entre os planos.

Era uma vez... Quando o amor fez o meu coração falar.
Era eu o menino do seu sonho.
E aquela estrela que você tanto gosta, também sou eu.

Era eu olhando-a pequena no berço.
E, certa vez, você me viu, e disse:
“Têm um anjo no meu quarto!”

Era mais do que um sonho, minha pequena.
E, na letra dessa canção, eu me revelo a você.
Para que você se sinta muito amada.

Era outro tempo...
E eu não me esqueci de você.
E a canção fala por mim.

Era uma vez... Quando eu dancei com as estrelas.
Por você. Pelo amor.
Quando eu virei menino.

Era uma vez... Quando o amor me fez escrever.
Então, algo desceu do céu, em seu coração.
E você ficou feliz, sem saber o motivo.

Era um presente... De outro coração.
Era essa canção, por entre os planos da vida.
E, agora, você sabe: o amor é maior do que tudo!

Era uma vez, na luz das estrelas...





P.S.:
No silêncio da meditação, eu ouvi uma voz sutil.
Ela me disse: “Deixe o seu coração falar...
Escreva uma canção de amor, que inspire outros corações”.
E eu fiz. E agora, eu sou só o que o amor fez de mim.
Sumiu o homem, ficou o menino... E eu, cada vez menor.
Sim, cada vez menor, diante do infinito...
Enquanto um grande amor fala em meu coração:
“Vive, ama, escreve, compartilha, compreende, ri, e segue...”

(Dedicado para aqueles que sentem um grande amor em seus pequenos corações e que, por isso, são apaixonados pela Vida e pela Luz.)

Paz e Luz*.
Wagner Borges – transbordando de amor e luz no meio da noite silenciosa...


domingo, 2 de março de 2014



... " Quando as dúvidas param de existir, é porque você parou em sua caminhada. Então vem Deus e desmonta tudo, porque é assim que Ele controla seus eleitos; fazendo com que percorram sempre, por inteiro, o caminho que precisam percorrer. Ele nos obriga a andar quando paramos por qualquer razão - comodismo, preguiça, ou falsa sensação de que já sabemos o necessário.

Mas tenha cuidado com uma coisa: jamais deixe que as dúvidas paralisem suas ações. " ...

- Paulo Coelho - 

...

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014




... " Eu já não era mais um solitário meteoro solto no espaço e no tempo, por que passava a fazer parte de um complicado sistema planetário. E agora precisava aprender a me manter no meu próprio centro de gravidade ao mesmo tempo em que sofria a pressão de outros corpos maiores e bem mais poderosos que o meu . " ...

- Deborah Harkness -

...

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014



... não siga ideais de perfeição, mas seja fiel a si mesma ...

...

domingo, 23 de fevereiro de 2014

sábado, 22 de fevereiro de 2014



Tire a agitação de seu coração.
Deite o corpo, tranqüilamente.
Pense no Eterno.
Preste atenção em sua respiração...
Você percebe o sopro vital animando sua vida?
Medite no Todo que está em tudo.
Sinta-se amado pelo amor mais lindo que existe.
Você percebe a Divina Presença em seu coração?
Sinta-se agraciado com o mais belo dos presentes.
Você não está só, nunca esteve.
O Eterno está em cada momento seu.
Esteja presente, aqui e agora. Solte-se...
Escute a música. Inspire-se!
Você não está perdido, nunca esteve.
Como poderia estar fora do Todo?
Ele está em tudo! Então, reconheça-O em você.
Reconheça-O em tudo e em todos.
Corte a agitação. Solte-se...
Pense no Eterno...
Preste atenção em sua respiração...
Compreenda: você respira luz!
Aceite-a.

Paz e Luz!

Wagner Borges

domingo, 16 de fevereiro de 2014


Perdoar ...
Desapegar ...

... e me manter no caminho ...

...

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

domingo, 9 de fevereiro de 2014


sábado, 8 de fevereiro de 2014






- Eu não quero ser diferente ...
... Que mal há em querer ser normal ?

- ... não existe essa tal normalidade - o tom da voz dele já não tinha a mesma doçura - Normal é uma história da carochinha, uma fábula que os humanos contam para si mesmos quando confrontados com a evidência avassaladora de que quase tudo que acontece em volta não é tão "normal" assim.


...

- Deborah Harkness -

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

... " Levar o inconsciente a sério é, afinal de contas, uma questão de coragem pessoal e integridade. " ...

- Jung -

sábado, 1 de fevereiro de 2014



.... " - Eu queria descobrir como os humanos aderiram a uma visão de mundo sem magia - acrescentei abruptamente. - Eu precisava entender como eles se convenceram de que a magia não era importante.
...
- E você descobriu ?
- Sim e não - hesitei - Observei a lógica utilizada por eles, e o fim de um sem-número de feridas à medida que as experiências científicas se descartavam aos poucos de crenças de que o mundo era um lugar inexplicavelmente poderoso e mágico. Mas infelizmente eles falharam. Na realidade a magia nunca foi deixada totalmente de lado. A magia ficou esperando até que o mundo se desencantasse com a ciência e retornasse para ela. " ...

- Deborah Harkness - 


...