sábado, 1 de novembro de 2014

"BRUXAS... é como chamam por aí...
As insubordinadas, divergentes, antenadas.
Sábias, ditas loucas... profundas, espiritualizadas.
As perigosas...
Mulheres que lutam...contra preconceitos, ignorância, machismo, opressão, violência, exploração....

Mulheres que amam, sem medo de parecerem impuras, se envolvem, se entregam, se rendem...verdadeiramente femininas...
Mulheres que cuidam, dos próprios filhos, dos filhos de todos, das chagas de muitos, das milenares e desprezadas tradições originais, da fé, da natureza, dos conhecimentos intuitivos, marca que jamais deveria ser apagada...
Mulheres que guardam...em si, o poder de gestar, de nutrir, de guiar...a vida!
Mulheres que preservam...as últimas chances do mundo sobreviver ao caos...os saberes simples das ervas, da compaixão, do respeito a toda Criação Divina.
Sim...as guardiãs de tudo que é digno e eterno... tão bem resolvidas.
Que despertam amor e ódio.
Mulheres que servem...e vivem à amparar umas às outras, totalmente descrentes da subcultura da competição.
Mulheres que estudam, lêem, observam, questionam, argumentam, se impõem...
Mulheres que sofrem...por não se ajoelhar ante à repressão dos sistemas...
Mulheres fantásticas, surreais, feiticeiras, endiabradas, filhas do mal?
Não...mulheres como vocês e eu.
Foram perseguidas e queimadas e ainda são amordaçadas...eram mulheres...eram irmãs, são BRUXAS! E devem meter muito medo...
E você?
As teme?
Ou é uma delas? " 

- Gi Stadnicki -

domingo, 5 de outubro de 2014

 




... " Há momentos em que somos forçados a abrir mão de algo que nos é muito importante e esse processo é, frequentemente, muito difícil. Todavia, a tristeza da “perda” será substituída por um esclarecimento muito maior, uma calmaria nas águas revoltas dos pensamentos e dos sentimentos, que proporcionará uma nova compreensão, um novo entendimento e aceitação das mudanças em nossa vida.  São muitas as ocasiões em que o que parece ser tristeza, dor e perda é simplesmente as dores do “parto” de um novo futuro e de uma mais pacífica experiência de vida." ...



domingo, 28 de setembro de 2014

Não podemos perder o hábito de vagar pelo deserto, onde ninguém se interessa em andar. Pois dos nossos pensamentos solitários é que surgem as ideias que nos impulsionam para caminhos onde poucos conseguem chegar. Ora bolas, se você faz sempre o mesmo percurso, verá sempre a mesma paisagem. 
Não podemos temer o caminho das sombras. Temos de saber passear pela luz e pela escuridão e preparar nossos olhos para que consigamos ver o que outros não enxergam e desviar das armadilhas que aprisionam os incautos. Se só soubermos caminhar no claro do dia, desaprendemos a ouvir os sons da noite e por consequência podemos deixar passar despercebidas as nuances que fazem de nossos pensamentos meandros para inspirações necessárias para a criação de um universo mais rico em detalhes de cores, de posições, de satisfações, de prazeres e riscos.
O que queremos afinal?
A doce e fácil igualdade do comum?
O pesado fardo de caminhar em direção a morte sem objetivo algum?
A quimera de uma existência previsível e facilmente neutralizada?
Não podemos perder o hábito de vagar pelos porões, de onde os pobres espíritos fogem deixando para trás rastros de dor, medo, pânico, pavor. Se não soubermos como lidar com nossos restos e com o que há de mais podre dentro de nossos corações, não saberemos discernir a bondade, a boa vontade e a afeição.
Se seguir a mesma fórmula obterá o mesmo resultado. Será apenas mais um.
Se criar uma nova maneira de fazer, então te destacarás daqueles que buscam algum alento em meio ao céu lotado de estrelas.
O que é preferível afinal?
A mera repetição do que já se faz repetido?
Ser apenas uma reprodução sem qualquer poder de autotransformação?
Não podemos renegar a vitória, nem o sucesso de nossas viagens além do que se imagina, sob a condição de não darmos valor aos nossos mais elegantes esforços.
A paciência é necessária para saber que o tempo trará a colheita que plantamos.
O que esperam os idiotam que nada cultivaram?
Esperam por limão? Por morangos? Por Melões?
Mas eles só plantam mamonas.
Não podemos esquecer o que nos trouxe até aqui.
E se o que nos ocorre, está correndo bem. Não há o que temer e nem o que se perguntar. Basta apenas que tenhamos a sensibilidade de seguirmos o caminho que nós escolhemos e não o que escolheram para todos.
Os fracos se vendem pelo primeiro chamado. Todos temos um preço, mas o nosso somos nós que avaliamos
Não somos todos. Fazemos parte do todo. Mas nós somos nós.
Assim seja.

terça-feira, 2 de setembro de 2014




O Pássaro

Não sei o que sinto...
Mas sinto
Que a terra me foge
Ou que fujo da terra
Que a terra é azul
Mas prefiro o azul do céu.
Não sei o que sinto...
Mas sinto, que preciso subir,
que preciso voar,
que preciso do espaço infinito!
O que sinto
são as asas que pedem mais azul,
são as asas que pedem mais espaço,
são as asas que pedem mais estrelas.
Não sei o que sinto...
mas sinto que a terra não basta
Não basta para mim,
pássaro do caminho!



...


Trecho extraído da Obra: A Voz de Deus de Alceu Amoroso Lima, publicado por Rose Marie Muraro em:As Mais Belas Orações de Todos os Tempos.

segunda-feira, 1 de setembro de 2014


... " Um salto no ar: imponderável, o desejo paira ... 
Se expõe ao que aflora simplesmente sendo, visto por quem repara.


Toda fase é parte e todo do mesmo um, sua aparência é relato da constante mudança.
No horizonte e abaixo dele, movimentam-se as seivas em ascensão, tramam-se os ramos, os grãos se separam das cascas e elevam-se em brotos, em folhas, expandem-se em frutos, irradiam-se em flores ... 


  
Chão que se abre, broto novo, consciência que aponta, desponta querendo ser. 

Seremos solo fértil? " ...

- Amanda Costa -

terça-feira, 26 de agosto de 2014









" O espectro da Mulher Selvagem ainda nos espreita de dia e de noite. Não importa onde estejamos, a sombra que corre atrás de nós tem decididamente quatro patas. "


** Todas nós temos anseio pelo que é selvagem. 
Existem poucos antídotos aceitos por nossa cultura para esse desejo ardente. 
Ensinaram-nos a ter vergonha desse tipo de aspiração.
Deixamos crescer o cabelo e o usamos para esconder nossos sentimentos.


** 0 arquétipo da Mulher Selvagem, bem como tudo o que está por trás dele, é o benfeitor de todas as pintoras, escritoras, escultoras, dançarinas, pensadoras, rezadeiras, de todas as que procuram e as que encontram, pois elas todas se dedicam a inventar, e essa é a principal ocupação da Mulher Selvagem. 
Como toda arte, ela é visceral, não cerebral. 
Ela sabe rastrear e correr, convocar e repelir. 
Ela sabe sentir, disfarçar e amar profundamente. 
Ela é intuitiva, típica e normativa.
Ela é totalmente essencial à saúde mental e espiritual da mulher"


- Clarissa Pinkola Estes -

domingo, 20 de julho de 2014

Óh Mãe ...








sexta-feira, 18 de julho de 2014

domingo, 13 de julho de 2014

Ó Mãe ...


... que eu seja um instrumento do Vosso Amor e da Vossa Verdade !!!
E que o pontinho de luz, o qual eu represento, possa se unir ao universo de ideias onde o Amor é a verdadeira sustentação da nossa fé !!!

Que Assim Seja !!!

quinta-feira, 22 de maio de 2014





Ela chegará
... em um dia que não haja sol
que não haja vento
que não haja sequer um beija-flor a roçar seu amor

Ela chegará
... pois aprendeu a tecer a tela que a irá abrigar
aprendeu a manejar seu barco através do mar bravio
aprendeu a dominar o vento que insistia em tirar as coisas do lugar
aprendeu a invocar o fogo sempre que sua chama enfraquecia

Ela chegará
... com o sussurro do regato que levará o seu barco até a margem segura que escolheu para ancorar

...

( 16/11/013 – Parte 1 )



domingo, 18 de maio de 2014

Por ela: nós também somos ninguém. A cordinha, A pequena escada, O final, A folha ...




Que o Ser em cada um de nós que é o "ninguém", 
ou seja, el alma pura,
sempre nos lembre que, não importa o que aconteça, 
temos uma Mãe amorosa, mansa e feroz,
que espera que aprendamos, que nos comprometamos 
a ser mansamente ferozes, ferozmente mansos ...
como ela.

Que nós, que puxamos e içamos todos os dias,
relaxemos um pouco,
e nos lembremos, com o coração voltado para nosso lar,
de que é nossa Mãe,
o mais belo Sino jamais forjado,
que nós, pequenas cordas,
lutamos para badalar ...
para que a memória de sua voz melodiosa
ressoe por nosso corpo, nossa mente,
nosso espírito, nossa alma, nossas obras
e nossas terras, diariamente.

Somos as escadas minúsculas, usadas para espiar por cima,
para subir e transpor cada muro levantado
contra Nossa Senhora.
Nós nos postamos nos humildes degraus de madeira
para nunca perdê-la de vista -
por mais que esteja confiscada pelos ciumentos,
por mais que tenham se apoderado dela
e a tenham diminuído,
por mais que tenha sido proibida pelos Césares,
ou escondida de qualquer modo, por qualquer motivo.
Nós subiremos, desceremos ou nos inclinaremos de lado
para contemplá-la onde quer que esteja.

Somos também folhinhas;
e, só por um instante,
deixemo-nos boiar descendo as corredeiras de seu Amor,
derramados e mergulhados, encharcados e quase afogados
na Santa Mer, Santa Maria, Santa Mar,
 e nos alegremos por esse trajeto sábio e selvagem
sobre os ombros fortes, aquosos de nossa Mãe Amada.

Que nós sempre sirvamos à sua memória,
e sejamos sempre a pequena rabiola da pipa estrelada,
que nos tornemos o último pedacinho de seu bolo,
que aceitemos um papel pequeno, mas poderoso,
em suas melhores e mais abençoadas histórias.
Que nos lembremos de suas palavras diariamente
e nunca nos sintamos sós.

Pois com ela, sob sua proteção, sob suas bençãos,
eu te digo, prezada criatura ...
Que deste dia em diante tu sejas
para sempre cuidado por Nossa Mãe,
para sempre orientado por ela,
e para sempre mantido a salvo por ela ...
até que nos vejamos outra vez.

Em seu nome, La Nuestra Madre Grande,
e em nome de seu precioso Filhinho,
A Luz de Amor do Mundo,
que te lembres de que estás envolto
em seu manto de estrelas,
cercado pelo perfume de rosas vivas,
de que estás espiritualmente protegido,
e principalmente
de que és amado de verdade.

Que assim seja para ti,
Que assim seja para mim,
E que assim seja para todos nós.

Amém
Amém
Amém


- Clarissa Pinkola Estés - 




quinta-feira, 17 de abril de 2014

Os sinais da existência



A vontade da existência é soberana e sempre se impõe sobre os desejos e expectativas do nosso ego. Entretanto, aqueles que não vivem uma vida de conexão com o Todo e não acreditam no poder do plano espiritual sobre o nosso destino, seguem querendo impor sua vontade sobre a vida, a qualquer custo.

Os que já despertaram para esta verdade conseguem interpretar os sinais que a vida lhes envia e, ao invés de querer controlá-la, praticam em todas as circunstâncias a arte da aceitação.

Quanto mais nos rendemos aos desígnios da existência, maiores são as chances de que ela nos traga a felicidade e a paz com que sonhamos. Mas como nossa sabedoria é ínfima, - comparada com a do divino -, muitas vezes não conseguimos compreender que o tempo para a realização dessa meta é exatamente aquele de que precisamos para alcançar a maturidade e a sabedoria necessárias.

Sem elas, ainda que a vida nos traga algo bom, certamente não saberemos valorizá-lo, pois o ego nos trará de volta o medo, a insatisfação e novos desejos, na tentativa de preencher o vazio existencial que resulta de uma vida desconectada da Presença e do verdadeiro sentido de estarmos neste planeta aqui e agora.

Enquanto a certeza de que as provas colocadas em nosso caminho e as escolhas que devemos fazer são desafios evolutivos, assumidos antes mesmo de encarnarmos, não estiver plenamente enraizada em nossa consciência, seguiremos como cegos, tateando no escuro, à procura de uma explicação para os fatos da vida.
Nenhum evento é inexplicável quando se tem como diretriz a perspectiva de que cada encarnação é um degrau no processo evolutivo de nossa alma.

As pessoas e relações mais significativas e que mais mobilizam nossas emoções, são, sem dúvida, aquelas com as quais temos questões cármicas a serem vivenciadas.
Somente a consciência pode nos fazer compreender a espécie de compromisso que temos com cada uma delas, quais aquelas com quem a nossa lição é desapegar, deixar ir, e quais as que vieram para a nossa vida com o propósito de nos ajudar a crescer na vivência do relacionamento íntimo e pessoal e, além disso, compartilhar a realização de algo significativo para o bem comum.

Todos somos parte do atual momento de transição que atravessa o planeta e os obstáculos que temos de enfrentar nestes dias que correm são essenciais para nosso crescimento interior.

Estar aqui, agora, por mais doloroso que às vezes possa parecer é, ao mesmo tempo, um grande privilégio, se atentarmos para o fato de que estamos testemunhando um valioso momento de evolução da consciência humana.


terça-feira, 15 de abril de 2014

" Provavelmente ninguém vai lhe ensinar isto. Dê um jeito de aprender, você vai precisar. Saiba desistir, porque em algum momento da vida isso vai ser necessário. Focar o que é, e não o que poderia ter sido. Colocar a vida à frente do orgulho. Seus desejos à frente do que os outros desejam pra você. Uma ousadia, um disparate, uma loucura, eu sei. Provavelmente ninguém vai lhe ensinar a entender o que você realmente deseja. Mas dê um jeito de aprender. Em algum momento da vida, desistir vai exigir mais coragem que seguir em frente. Desistir será o mesmo que parar de tentar. 

E parar de tentar pode ser finalmente o começo. " 

( http://www.crisguerra.com.br/)

...

segunda-feira, 14 de abril de 2014

" Que seu segredo não entre em minha alma, nem em seu porto meu navio."


( http://tarotdoor.com )

...
"Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
muda-se o ser, muda-se a confiança:
todo o mundo é composto de mudança,
tomando sempre novas qualidades.

Continuamente vemos novidades,
diferentes em tudo da esperança:
do mal ficam as mágoas na lembrança
e do bem (se algum houve) as saudades.

O tempo cobre o chão de verde manto,
que já coberto foi de neve fria,
E em mim converte em choro o doce canto.

E afora este mudar-se cada dia,
Outra mudança faz de mor espanto,
Que não se muda já como soía."


- Luís de Camões -

domingo, 13 de abril de 2014

... " o sorriso é a oração de cada uma das pequenas células que sobe até a boca " ...


... " Quaisquer que sejam os nossos problemas ou fadigas, há em nós uma presença  que sorri, uma presença silenciosa, e é nela que nós nos mantemos ... uma atitude de atenção e de sorriso àquilo que é. Acolher o sopro, acolher o movimento da Vida que se dá em nós e através de nós. " ...

- Jean-Yves Leloup -

... 

sexta-feira, 11 de abril de 2014









... " Eu falei com a língua dos anjos
Eu segurei a mão do demônio
Estava quente à noite
Eu estava frio como uma pedra

Mas eu ainda não encontrei
O que estou procurando
Mas eu ainda não encontrei
O que estou procurando

Eu acredito na vinda do Reino
Então todas as cores
Irão filtrar-se em apenas uma
Irão filtrar-se em apenas uma
Mas, sim, ainda estou correndo " ...


...

quinta-feira, 10 de abril de 2014

... " É fundamental abrir espaço para que aconteça o que tem que acontecer e não apenas o que desejamos. Muitas vezes nossa vontade está baseada em pontos de vista falhos, ideias erradas, falta de informações. Quando afirmamos o que queremos, mas deixamos espaço para que o inesperado ( e mais benéfico para nós ) aconteça, então a magia ganha seu lugar. " ...

- Cacau Gonçalves - 

...

... " isso me lembra aquele trecho de Matrix, em que o Oráculo diz para o Neo que ele não está ali para fazer uma escolha, mas para entender o que já havia escolhido. " ...


( http://viatarot.blogspot.com.br/ )

quarta-feira, 9 de abril de 2014

" Um por todos ... e todos por um "


... hoje em dia essas palavras são uma utopia, caminhamos à passos largos para

" Cada um por si ... e Deus por todos "

Pensado bem, " Deus por todos " não seria também uma utopia ? ... já que alguns alegam que Deus tem os seus escolhidos ? ... então seria ...

" Cada um por si ... e Deus por uma minoria privilegiada. "

E quem seriam  esses escolhidos ? 
... os detentores da verdade ... os mansos de coração ...

E qual seria essa verdade ? 
... bem ... eu nem imagino, já que cada um defende a sua verdade ...

E onde estariam aqueles que se supõem tão mansos,  que neste exato momento não estão travando uma batalha interior ?
... imagino também que esses já estariam do outro lado do véu ...



Cada um defende a sua verdade ... e quando essa verdade não condiz mais com a verdade do grupo ao qual pertencemos, nós simplesmente "pulamos" fora. 
Abrimos outras igrejas ... outras sociedades ... outras filosofias ...
Angariamos adeptos ... fundos ... verdades ...
... fortalecendo assim um mundo de intolerância e ilusões ...

Estamos muito longe da verdade ... pois, a verdade não condiz com a realidade na qual vivemos.
Estamos pobres ... pois dinheiro nenhum é capaz de comprar a nobreza de espírito a muito perdida.
Estamos secos e infrutíferos ... pois o Amor deixou de ser o alimento da nossa essência.

Em um mundo de interesses e falsos poderes ... o Guerreiro está só !!!

" Somos um exército
Exército de um homem só
No difícil exercício de viver em Paz "


... 


terça-feira, 8 de abril de 2014

sábado, 5 de abril de 2014

sexta-feira, 4 de abril de 2014





... " Eu quebro tradições, algumas vezes minhas tentativas,são fora dos limites
Nós fomos condicionados a não cometer erros
Mas eu não posso viver desse jeito

Encarando a página em branco a sua frente
Abra a janela suja
Deixe o sol iluminar as palavras que você não pôde achar " ...

quinta-feira, 3 de abril de 2014


A primeira história sobre a Divisão nasce na antiga Pérsia: o deus do tempo, depois de haver criado o Universo, da-se conta da harmonia à sua volta, mas sente que falta algo muito importante - uma companhia com quem desfrutar toda aquela beleza.
  Durante mil anos ele reza para conseguir um filho. A história não diz para quem ele pede algo, já que é todo-poderoso, senhor único e supremo; mesmo assim ele reza, e termina engravidando.
  Ao perceber que conseguiu o que queria, o deus do tempo fica arrependido, consciente de que o equilíbrio das coisas era muito frágil. Mas é tarde demais - o filho já está a caminho. Tudo que ele consegue com seu pranto é fazer com que o filho que trazia no ventre se divida em dois.
  Conta a lenda que, assim como da oração do deus do tempo nasce o Bem         ( Ormuz ), do seu arrependimento nasce o Mal ( Arimã ) - irmãos gêmeos.
  Preocupado, ele arranja tudo para que Ormuz saia primeiro do seu ventre, controlando o seu irmão, e evitar que Arimã cause problemas no universo. Entretanto, como o Mal é esperto e capaz, consegue empurrar Ormuz na hora do parto, e vê primeiro a luz das estrelas.
  Desolado, o deus do tempo resolve criar aliados para Ormuz: faz nascer a raça humana, que lutará com ele para dominar Arimã, e evitar que este tome conta de tudo.
  Na lenda persa, a raça humana nasce como aliada do Bem e, segundo a tradição, irá vencer no final. Outra história sobre a Divisão. entretanto, surge muitos séculos depois, dessa vez com uma versão oposta: o homem como instrumento do mal.

  Penso que a maioria sabe do que estou falando: um homem e uma mulher estão no jardim do Paraíso, gozando todas as delícias que possam imaginar. Só existe uma única proibição - o casal jamais pode conhecer o que significa  Bem e Mal. Diz o Senhor Todo- Poderoso ( Gên 17 ); " Da árvore do conhecimento do Bem e do Mal não comerás. "
  E um belo dia surge a serpente, garantindo que esse conhecimento era mais importante que o próprio Paraíso, e eles deveriam possuí-lo. A mulher recusa-se, dizendo que Deus a ameaçou de morte, mas a serpente garante que no dia em que souberem o que é o Bem e Mal, serão iguais a Deus.
  Convencida, Eva come o fruto proibido, e dá parte dele a Adão. A partir daí, o equilíbrio original do Paraíso é desfeito, e os dois são expulsos e amaldiçoados. Mas existe a frase enigmática, dita por Deus, que dá razão à serpente: " Eis que o homem se tornou como um de nós, conhecedor do Bem e do Mal. "
  Também neste caso ( igual ao do deus do tempo que reza pedindo algo, embora seja o senhor absoluto ) a Bíblia não explica com quem o Deus único está falando, e - se ele é único - por que está dizendo algo como " um de nós. "
  Seja como for, desde suas origens a raça humana está condenada a se mover na eterna Divisão entre os dois opostos. 

...

- Paulo Coelho - 

terça-feira, 1 de abril de 2014


... Minha vó Maria Cabral, ficou viúva aos 33 anos ... criou cinco filhos sozinha, passando mil e uma dificuldades.
Um dia, quando eu era ainda adolescente, perguntei a ela por que não se casou novamente. Então ela me disse que não queria nenhum padrasto "judiando" de seus filhos ... acho que esse sentimento era um reflexo do que ela havia passado nas mãos da madrasta.

Não quero generalizar as situações, pois eu sei muito bem que existem madrastas e padrastos que são verdadeiros "pais e mães" ... e sei também que há pais e mães que são verdadeiros "padrastos e madrastas".

A minha dor é ver a cada dia a maioria das famílias se deteriorando ...  perdendo todo o sentido de cuidado ... de amor ... de valores que protegem a essência de seus membros. 
É só violência, descaso, indiferença ... e valores fúteis ...
Eu já nutria esse sentimento de indignação a muito tempo ... mas, agora tudo ficou a flor da pele, com uma fatalidade que aconteceu a um amigo de infância ... perdeu um neto ... violência doméstica ...

Fui de um extremo a outro ... amor e ódio na mesma intensidade ... tentando proteger ao máximo os meus e punir aqueles que se utilizam da covardia para machucar os indefesos ...
Depois de uma noite agitadíssima, ainda acordei com a vontade de gritar :

- CORTEM AS CABEÇAS !!!!!!!!!!

...

segunda-feira, 31 de março de 2014

domingo, 30 de março de 2014



"  Senhor, se eu te amar por querer o Céu, exclui-me dele...
Se eu te amar por medo do inferno, joga-me nele...

Agora, se eu te amar pelo que Tu és, Senhor, não me
escondas o rosto "


...

(Oração do século VI A.C., encontrada em descobertas arqueológicas na Palestina, no início do século XX.)




www.facebook.com/pages/O-Mundo-de-Gaya

sábado, 29 de março de 2014

Ela subiu as escadas carregando sua bicicleta ...
... era tão leve !!!
Entrou em casa e sentiu se feliz ... 
... uma claridade intensa iluminava o ambiente e deixava uma sensação de paz.

...

Ela estava em paz !
A liberdade conquistada a deixava em paz ... apesar de ser desproporcional ao seu tamanho. 
Como ela se sentia pequena diante daquela imensidão à sua frente e mesmo assim ela se equilibrava como podia e tentava manter firme a direção.




(25/03)

quinta-feira, 27 de março de 2014





... Eu sei que eu sonhei para você um pecado e uma mentira
Eu tenho minha liberdade, mas não tenho muito tempo
Fé foi quebrada, lágrimas precisam ser choradas
Vamos viver algo depois de morrermos ...

quarta-feira, 26 de março de 2014

Conta  a lenda que dormia
Uma princesa encantada
A quem só despertaria
Um infante, que viria
De além do muro da estrada

Ele tinha que, tentado,
Vencer o mal e o bem,
Antes que, já libertado,
Deixasse o caminho errado
Por o que à Princesa vem.

A Princesa Adormecida,
Se espera, dormindo espera,
Sonha em morte a sua vida,
E orna-lhe a fronte esquecida,
Verde, grinalda de hera.

Longe o Infante, esforçado,
Sem saber que intuito tem,
Romper o caminho fadado,
Ele dela é ignorado,
Ela para ele é ninguém.

Mas cada um cumpre o Destino 
Ela dormindo encantada,
Ele buscando-a sem tino
Pelo processo divino
Que faz existir a estrada.

E, se bem que seja obscuro
Tudo pela estrada fora,
E falso, ele vem seguro,
E vencendo estrada e muro,
Chega onde em sono ela mora,

E, inda tonto do que houvera,
À cabeça, em maresia
Ergue a mão, e encontra hera,
E vê que ele mesmo era
A Princesa que dormia.

- Fernando Pessoa - 
( Eros e Psique )

terça-feira, 25 de março de 2014

A MULHER PRECISA DE GRITAR A SUA FÚRIA





"Houve muita especulação quanto ao fato de uma mulher furiosa ser apavorante no seu poder. No entanto, essa é uma projeção da angústia pessoal do observador, demasiada para que qualquer mulher a suporte.
Na sua psique instintiva, a mulher tem o poder, quando provocada, de se enfurecer com consciência – e isso realmente é algo poderoso. 
A raiva é um dos meios inatos de que ela dispõe para começar a criar e a manter o equilíbrio que necessita, tudo o que ela realmente ama. É seu direito e, em certas horas e sob certas circunstâncias, é seu dever moral.
Para as mulheres isso significa que existe a hora para mostrar os dentes, para mostrar a poderosa capacidade de defender o seu território, para dizer ”até aqui nem mais um passo, não passe a responsabilidade adiante, não se intrometa, tenho uma coisa a dizer, tudo isso vai decididamente mudar”.



"MULHERES QUE CORREM COM OS LOBOS"

- CLARISSA PINKOLA ESTES - 


( http://rosaleonor.blogspot.com.br/ ) 

segunda-feira, 24 de março de 2014

" A verdade da vida não é uma meta a alcançar num

 determinado momento no futuro; é a realidade do passo 

dado neste preciso instante. Pensar na realidade como uma 

linha reta, uma progressão linear do princípio ao fim, de

 causa a efeito, da ideia à realização, é um erro, e cada 

ponto da sua circunferência é ao mesmo tempo o centro, o 

ponto de partida, e o ponto de chegada. "


Hogen Yamahata

...

domingo, 23 de março de 2014

sábado, 22 de março de 2014

Havia uma flor rara crescendo no jardim ... e o jardineiro não a percebera ...
Passava os dias regando, adubando ... zelando ... pelo seu complexo e padronizado jardim, pois foi assim que aprendera a cultivar, sem levar em conta a sua intuição.
Enquanto isso a pequena haste da flor tentava se firmar ... se posicionar ...
... procurando tirar o melhor daquilo que o jardineiro oferecia como sustento, na esperança de que um dia pudesse lhe retribuir com seu fruto.


Não resistiu ... e sucumbiu, sem que o jardineiro a percebesse.
(ela era só mais uma na multidão de cores e aromas )


...

Ela não resistiu ao espaçamento inadequado das entrelinhas e morreu sufocada pela ilusão de normalidade do mundo ao seu redor.

...


sexta-feira, 21 de março de 2014

Por que prender a vida em conceitos e normas?
O Belo e o Feio...
O Bom e o Mau...
Dor e Prazer...
Tudo, afinal, são formas
E não degraus do Ser!

Mário Quintana

quinta-feira, 20 de março de 2014

quarta-feira, 19 de março de 2014



 Ela atravessou a cidade, sem rumo, e chegou até o ponto onde acabava a estrada ...
 Em dúvida, olhava tudo ao seu redor ... a sua frente havia um descampado e à sua direita uma densa floresta ... sua angústia aumentava e tinha esperança de encontrar algum sinal que a mantivesse no caminho certo. De repente avistou alguém lhe acenando; como não o reconheceu voltou pela mesma trilha de onde viera ... desceu lentamente e chegou até uma praça onde passou distraída e não percebeu que estava sendo montado um grande palco.
 Seguia absorta em seus pensamentos, atravessou uma viela e notou alguns seguranças patrulhando o local, só então entendeu o que acontecia realmente na praça, eles estavam se preparando para mais um show.
 Ela pensou em voltar ... mas, não teve ânimo. Continuou seguindo em direção a um grande portão,  avaliou se era isso mesmo que queria e antes que a dúvida a paralisasse, uma voz lhe sussurou:
- Não se preocupe, quando quiser voltar ... volte !!!

Ela seguiu então, sem olhar para trás.



(15/03)