segunda-feira, 2 de maio de 2016







As palavras foram se perdendo pelo caminho, a medida que eu me distanciava
... em minhas mãos alguns últimos vestígios do que eu fui e o que eu amei ...

Me vejo exilada no meu próprio castelo pois, esse é o sacrifício a ser cumprido
... aqui no meu último e único refúgio estou em paz ... 

Mas tudo está por um triz e a minha espreita estão aqueles que nunca conseguiram me alcançar
... eu só observo, não há mais nada a falar, não há mais motivo para fugir ...

E se meu castelo for invadido tudo virará pó
... diluído nas minhas muitas águas ...




De qualquer forma, nem eu mesma já me encontro aqui ...

...