domingo, 22 de maio de 2016






Um peregrino nunca está sozinho. Pensamentos, sentimentos e experiências o acompanham durante toda a caminhada. Os passos são dados um atrás do outro, um pé antes do outro. As pernas se roçam e se aquecem ao calor da estação.

O mar azul do céu abraça toda a vegetação, iluminando e transformando a natureza. Diversas cores aparecem ao toque da luz solar.

Uma gaivota surge vinda de longe. Seu vôo rasante é o presságio da intenção de pousar em lugar seguro. Outras aves quase conseguem desviá-la de sua posição original, mas ela permanece firme e forte em sua intenção. O breve e sutil movimento foi em vão, pois só fortaleceu sua convicção de seguir em frente.

O homem que estava ali demonstrava um grande fascínio. Seus olhos fixos não conseguiam desviar-se da magnitude proporcionada pelo cenário natural diante de si. Era puro encantamento!

Por alguns instantes surgiram em sua mente esclarecedoras reflexões...

Meu Deus! Como posso deixar de acreditar na onipresença divina? Estou vivo para registrar mais um momento sublime! Que força é esta que coordena os ciclos da vida?

Toda a natureza dança em movimentos periódicos na regência da orquestra filarmônica celestial. Só um homem puro e de posse de si mesmo poderia enxergar o valor de tanta beleza!

Há muito mais realidades do que os olhos humanos conseguem ver! Quando reconhecemos uma boa ação e o momento de decidir entre parar ou avançar, acreditar ou duvidar, o homem torna-se mais consciente.

O poder dos pensamentos bem administrados e uma vida cotidiana onde o tempo é ocupado com o que se faz de melhor, só poderia mesmo trazer sábias atitudes e opiniões bem amparadas na verdade.

Não podemos esquecer-nos de objetivar a vida e também deixar o novo acontecer. Abrace as boas oportunidades!

É sempre bom lembrar que: não estamos sozinhos! O respeito e o carinho serão muito bem vindos. Laços podem ser formados em liberdade. Diálogos proporcionarão acordos para o bem comum.

Manter-se dentro dos próprios princípios é outra opção saudável para uma felicidade verdadeira. A maneira de sentir a vida é própria de cada um, íntima e inquestionável.

Mais reflexões e interrogações pairavam ...

Quem sou eu para julgar, desacreditar ou aceitar ficar indiferente diante de tamanha visão do todo e de mim? A própria natureza não questiona seus ciclos naturais. Ela só demonstra seu descontentamento, permitindo estranhos fenômenos, quando o homem abusa do próprio poder.

O homem e seu amor pela vida é a condição natural para que tudo continue existindo.

É claro que nada permanece intacto. As transformações são um estado natural de se viver em evolução. A permanência é alterada pelas leis da continuidade existencial. O caminho é o horizonte para um crescimento inevitável, ordenado e funcional de todo ser vivo.

...

O homem como criador de sua realidade pode conviver e colaborar com seus recursos físicos, mentais e emocionais e, ao mesmo tempo, estar em harmonia com a natureza.

Ecologicamente correto é viver na paz e em paz com as necessidades de cada um.

A natureza com seus recursos e o desempenho do homem em todo o processo ficará marcado no livro da vida.

Na quietude da montanha é possível ampliar o olhar diante de si mesmo e aceitar que: há mais vida atrás de outras montanhas...