quinta-feira, 20 de julho de 2017

Diário de Bordo ...

Tempo de agulha/tecido/linha
Tempo de enxada/terra/semente
... e no hiato dos dois tempos eu escrevi ...

Mãos/transformação/intuição

No tempo de agulha, tecido e linha era o Ateliê da Pepeca ... (aqui abro um parênteses)
 ... coloquei esse nome por causa da minha sobrinha. Quando bem pequena a chamava de sapeca e com o tempo abreviei para pepeca, e ela sempre retrucava que pepeca era eu (rsrs), Então um belo dia uma amiga me falou que a família dela chamava as partes íntimas da mulher de pepeca e que achava muito estranho eu ter colocado esse nome no meu ateliê. Na minha família nunca colocamos apelidos em partes íntimas de mulher ou homem, então nunca tive maldade em colocar esse nome, até porquê a raiz era outra, ou seja "sapeca". Mas de qualquer forma resolvi mudar o nome do atelie para Vila Maria, mesmo já tendo confeccionado etiquetas com o logotipo Atelie da Pepeca.
Criei muito ... extravasei ... mas, um belo dia o entusiasmo se foi ... recuei e me fechei ...  fechei também o atelie.
 2012 foi um ano difícil ...
Enfim ... enquanto costurava tecidos e feltros, também costurava sentimentos ... pintava telas e sonhos ... me lançava na corredeira ... transbordei ... mas, um belo dia percebi o hiato entre dois mundos ... recuei e me fechei ... fechei também algumas fendas na parede do dique ...

Hoje vivo o entusiasmo do tempo de enxada, terra e semente ... pé no chão ... criar raiz ... desfolhar e frutificar ... observar ...
Conectar e trazer a tona a verdadeira essência ... edificar ... e não mais recuar e não mais me fechar ...

Flor do Imbolc ... Transmutar ...